O que é RPA?

RPA é um acrônico, uma sigla para Robot Process Automation, em uma tradução livre “Processos Automatizados por Robô”. RPA, no Brasil também é a sigla para “Recibo de Pagamento Autônomo”, mas não vamos falar disso aqui, o assunto aqui é Robô, Automações.

Existem muitas definições em tudo na área de Tecnologia, e é uma área onde todos adoram sopas de letrinhas e siglas, o que poderia se dizer de uma área que se chama de TI, que usa um PC para construir RPA?

RPA não representa nenhuma tecnologia específica, ele representa um conceito.

É comum hoje em dia grandes empresas tentarem associar o RPA ao seu produto e dizer indiretamente algo como “Isso é RPA”, essa é uma tática que confunde bastante a área administrativa não técnica.

Recentemente fui questionado “Como posso começar a fazer RPA?”, na hora eu não tive uma resposta, na verdade eu tinha sim, mas como eu vou dizer para a pessoa “Você tem quatro horas pra eu te explicar?”, não a para resumir em passos simples e objetivos, então resolvi escrever esse artigo.

Agora sim

Mas então que Diabos é um RPA?

RPA é simplesmente a construção de um programa de computador feito para realizar uma tarefa que normalmente era realizada por um humano e na maioria dos casos, com muito custo.

E que tecnologia usa-se no RPA

Dado o conceito “Um programa de computador” qualquer tecnologia é aceitável, como RPA é uma sigla que foi adotada recentemente muitas pessoas acham que só é RPA automações feitas com ferramentas complexas e poderosas, mas não.

A primeira automação que conheci foi lá no começo dos anos 2000, quando trabalhei em uma grande operadora de telefonia fixa que na época havia adquirido uma operadora de telefonia celular. Lá havia um procedimento que os operadores faziam, que consistia em três passos simples:

  1. Abrir o Terminal do Main Frame e logar no sistema da telefonia fixa
  2. Abrir outro terminal do Main Frame e logar no sistema da telefonia móvel
  3. Verificar se a pessoa existia nos dois sistemas, complementar os dados de um lado para o outro

Simples, certo? Certo

Me lembro bem os números, um operador fazia essa operação durante o dia todo, 6 horas por dia na razão de 6 ou 7 cadastros por hora, o que dava uns 36 cadastros por dia, por operador. No setor haviam 10 operadores cuidando apenas disso.

Então, um jovem programador COBOL, recém contratado daquela empresa de telefonia e que era a primeira leva a entrar depois que ela foi privatizada sugeriu construir uma aplicação, que faria o mesmo processo.

Naquela época eu conhecia apenas o VB6 e o ASP 3, o que ele falou para mim não fazia sentido, fingi que entendi e acenei positivamente com a cabeça enquanto comia meu segundo lanche do McDonalds.

Passaram-se alguns dias e ele veio me chamar animado, mostrou-me o processo e assim que vi ele executando minha mente se iluminou e uma palavra surgiu na minha mente:

“AUTOMAÇÃO”

Tá bom, não pensei especificamente em automação, era mais para “Cacete, o cara fez uma programa que simula uma pessoa”

Era isso que eu presenciava, mas não fazia idéia do que era.

O processo seguinte foi o mesmo de hoje, mostrou para seu chefe, que mostrou para o dele, que mostrou para o dele e foi agendada uma reunião e posteriormente foi dada a ordem para colocar o programa para rodar.

Esse rapaz era bem humorado e tinha uma estranha mania de dar nome aos seus programas, herdei isso dele, então nasceu o Jurandir.

No primeiro dia Jurandir fez cerca de 120 cadastros por hora, 720 em 6 horas, mais do que a operação inteira fazia em dois dias, mas não parou por aí, pois quando deu o horário do expediente Jurandir continuou determinado e focado, e no dia seguinte, quando bateu as 24 horas descobrimos que Jurandir havia feito cerca de 3200 cadastros pois durante a noite o sistema era levemente mais rápido.

O impacto foi assustador, Jurandir não cobrava salario, férias, décimo terceiro e tão pouco ficava doente ou parava de trabalhar, havia em um único dia feito o trabalho de 100 dias de um único profissional.

Particularmente fiquei maravilhado com Jurandir, quis entender com ele funcionava e entendi, era uma aplicação feita em VB com Winsock que na época fazia muito sentido, mas hoje, bem, hoje ninguém sabe o que é Winsock, Telnet e coisas do tipo.

Mas lembro que a semente da maldade foi dada por mim, com a inocente sugestão

“E se trocássemos todos os operadores por robôs?”

O Diretor da área, um antigo analista de sistemas, mais velho e cansado, que havia sido privatizado junto com a empresa sorriu e respondeu

“Seria interessante, mas como explicar pros operadores que ele estariam na rua no dia seguinte?”

Não é que eu não tivesse coração ou algo do tipo, só tinha empolgação comum na juventude que impulsiona as coisas sem pensar na consequências, algo necessário as vezes.

Então, como você pode ver a Automação e o RPA não é algo novo, de agora, existem exemplos muito mais antigos mas esse é a minha experiência pessoal.

O que quero dizer é que RPA não precisa especificamente de ferramentas como WinAutomation, Process Robot, UI Path, Sellenium, Open RPA, Indigo entre outras, mas todas elas em si são o RPA.

Qualquer automação que se faça para substituir uma ação humana é um RPA e esse programa pode ser escrito em qualquer linguagem, seja nas Jurássicas C, C++, Clipper, Cobol e também nas mais “novas” como Java, C#, Python, Javascript e GO. Não vou listar todas as linguagens aqui por só essa citação teria muitas e muitas linhas.

Mas então, como eu começo com RPA?

Devido a gama de soluções que existem hoje eu posso dizer com certeza que você não precisa ser um programador para fazer um RPA.

Claro, que se você for programador ou tiver ao menos noção de lógica de programação o seu RPA ficará cada vez melhor.

Se você não é programador e não tem noções de desenvolvimento de software, mas quer uma solução simples para testar o RPA eu indico o OPEN RPA, que é uma solução de código aberto que você baixa e instala no computador e já saí clicando e mandando ver.

Mas, se você é um desenvolvedor e quer iniciar eu sugiro o Selenium, construir um programa que faz login em algum sistema, na primeira vez que funciona, é particularmente gratificante.

Selenium é bom pois tem distribuições para Java, .NET, Go e muitas outras para você testar.

Conclusão

Então é isso, RPA é uma técnica, não uma tecnologia, é uma técnica despadronizada E ninguém é dona dela.

E lembre-se, trabalhar com RPA leva sempre a olhares de ódio de outras pessoas que tem medo de ter o próprio trabalho automatizado.